Analista principal: Julyana Yokota, São Paulo, 55 (11) 3039-9731, julyana.yokota@standardandpoors.com

Contato analítico adicional: Vinicius Ferreira, São Paulo, 55 (11) 3039-9763, vinicius.ferreira@standardandpoors.com

Líder do comitê de crédito: Pablo Lutereau, Buenos Aires, 54 (11) 4891-2125, pablo.lutereau@standardandpoors.com



Resumo
  • Apesar do aumento da concorrência no Porto de Santos, que reduziu a participação de mercado da Santos Brasil, acreditamos que a empresa continue sendo um dos principais provedores de serviços de infraestrutura portuária na América do Sul, com métricas de eficiência operacional alinhadas às de seus pares internacionais e forte fluxo de caixa operacional livre.
  • Reafirmamos o rating ‘brAAA’ na Escala Nacional Brasil atribuído à Santos Brasil.
  • A perspectiva estável reflete nossa expectativa de que a empresa será capaz de absorver o aumento da concorrência em seu principal terminal, enquanto mantém suas métricas de crédito relativamente estáveis e liquidez adequada.
Ação de rating
SÃO PAULO (Standard & Poor’s), 12 de novembro de 2014 – A Standard & Poor’s Ratings Services reafirmou hoje o rating ‘brAAA’ na Escala Nacional Brasil atribuído à Santos Brasil Participações S.A. (“Santos Brasil”). A perspectiva do rating é estável.

Fundamentos
O rating atribuído à Santos Brasil reflete nossa visão de que a empresa continua sendo um dos principais provedores de serviços de infraestrutura portuária na América do Sul, estando bem posicionada em termos de capacidade operacional e flexibilidade financeira para enfrentar um ambiente mais competitivo no segmento de contêineres do Porto de Santos, o mais importante do Brasil.

Avaliamos seu perfil de risco de negócios como “satisfatório”, em razão de sua sólida posição competitiva no segmento de contêineres do Porto de Santos, amparada principalmente por sua consistente eficiência operacional de cerca de 80 MPH (movimentos por hora) desde 2011, comparável aos padrões europeus. A maior competição enfrentada pelo principal terminal da companhia, o Tecon Santos – após o início das operações de dois novos terminais de contêineres em 2013, que ocasionou a redistribuição dos serviços dos armadores pelos terminais do porto – reduziu a participação de mercado da Santos Brasil de 57% no segundo trimestre de 2013 para 32,5% no terceiro trimestre de 2014. Mesmo assim, a empresa continua apresentando sólidas métricas de crédito, conforme demonstrado pelo EBITDA de R$ 382 milhões nos últimos doze meses findos em setembro de 2014, acompanhado por uma margem de 33%.

Acreditamos que a empresa esteja bem posicionada para absorver o impacto da concorrência mais acirrada, que pressionou os preços e alterou seu mix de receitas – elevando a porcentagem de serviços de cabotagem em relação aos de longo curso, além de um maior volume de serviços de transbordo, impactando ainda as receitas de armazenagem. Assim, esperamos uma melhora em suas margens operacionais resultante de seus planos de redução de custo propostos, ao mesmo tempo em que mantém sua eficiência operacional, o que deve possibilitar a recuperação gradual da margem EBITDA para 36% até 2017.

O perfil financeiro da Santos Brasil é “intermediário”, refletindo sua geração de fluxo de caixa resiliente e flexibilidade financeira. A empresa está atualmente subalavancada, com a relação dívida ajustada sobre o EBITDA totalizando 1,3x em setembro de 2014. Embora os investimentos (capex) anuais sejam relativamente baixos, a empresa se comprometeu a investir em torno de R$ 1,2 bilhão até 2018 na expansão da capacidade, em troca da renovação antecipada de sua concessão do Tecon Santos até 2047. Se aprovado, esperamos que o capex seja financiado por meio de instrumentos de dívida. No entanto, seus indicadores financeiros devem permanecer em linha com o perfil de risco financeiro atual.

Nosso cenário-base assume:

  • Uma redução do volume de movimentação de contêineres de 15% em 2014 (vale destacar que os volumes já começaram a se reduzir no segundo semestre de 2013), como resultado da concorrência mais acirrada no Porto de Santos, e crescimento zero para 2015. Além disso, esperamos um aumento da participação de contêineres vazios (a relação contêineres cheios/vazios deverá alcançar cerca de 71% nos próximos anos) e dos serviços de cabotagem, os quais, por sua vez, contribuem com menores taxas de movimentação e armazenagem;
  • EBITDA entre R$ 350-R$ 400 milhões nos próximos três anos;
  • Investimentos de R$ 1,2 bilhão entre 2015 e 2018 se o Poder Concedente aprovar a renovação antecipada do contrato de concessão do Tecon Santos para 2047. Caso contrário, o capex de manutenção é relativamente baixo, de aproximadamente R$ 60 milhões por ano; e
  • Distribuição de dividendos de 95%, ligeiramente acima de sua média histórica.

Com base nessas premissas, chegamos às seguintes métricas de crédito:

  • Margem EBITDA de 34% em 2014, melhorando para 36% em 2017;
  • Dívida sobre o EBITDA de 1,4x em 2014, aumentando gradualmente para 2,0x em 2017 (assumindo que financiará o capex para expandir a capacidade da Tecon; caso contrário, esperamos que a alavancagem permaneça abaixo de 1,5x); e
  • Geração interna de caixa (FFO, em inglês) sobre a dívida de 53% em 2014, reduzindo-se gradualmente até atingir 36% em 2017.
Liquidez
Continuamos avaliando a liquidez da Santos Brasil como “adequada”. Em 30 de setembro de 2014, as obrigações de curto prazo da empresa somavam R$ 160,6 milhões, as quais poderiam ser totalmente amortizadas por sua posição de caixa de R$ 202,3 milhões. Esperamos que as fontes de caixa da Santos Brasil excedam os usos em, ao menos, 1,2x em 2014 e 2015. A empresa não possui cláusulas contratuais restritivas (covenants) para suas obrigações de dívida.

Principais fontes de liquidez:

  • Posição de caixa de R$ 123,0 milhões em 31 de dezembro de 2013 (R$ 202,3 milhões em 30 de setembro de 2014);
  • FFO de aproximadamente R$ 250 milhões em 2014 e R$ 270 milhões em 2015; e
  • Emissão de debêntures no valor de R$ 100 milhões em março de 2014 com vencimento final em 2017.

Principais usos de liquidez:

  • Amortização de dívida de cerca de R$ 150 milhões em 2014, dos quais R$ 72,0 milhões já haviam sido pagos até 30 de setembro de 2014, e cerca de R$ 110 milhões em 2015; e
  • Investimentos em manutenção de aproximadamente R$ 60 milhões em 2014, e em 2015 de R$ 250 milhões refletindo os potenciais investimentos em expansão a partir de 2015 se aprovada a renovação antecipada da concessão.
Perspectiva
A perspectiva estável reflete nossas expectativas de que o grupo manterá suas sólidas métricas de crédito e continuará gerando fluxo de caixa operacional livre para cumprir seu serviço da dívida, apesar do aumento da concorrência em seu principal terminal. Acreditamos ainda que a empresa apresente flexibilidade financeira suficiente para operar com uma margem EBITDA abaixo do nível histórico, enquanto executa um significativo plano de expansão nos próximos anos se o Poder Concedente aprovar a renovação antecipada da concessão do Tecon Santos.

Poderíamos rebaixar o rating da Santos Brasil no caso de deterioração de seu desempenho operacional e/ou se houvesse uma forte redução nas operações de cais, o que resultaria em um enfraquecimento substancial em seu desempenho financeiro e operacional, levando a uma relação dívida sobre o EBITDA consistentemente acima de 3,0x e FFO sobre a dívida abaixo de 30% nos próximos dois anos. A renovação antecipada da concessão do Tecon Santos ainda está sujeita à aprovação pelo Poder Concedente – a SEP (Secretaria Especial de Portos) –, e, portanto, os termos finais ainda não foram definidos, o que poderia pressionar as métricas de crédito além das projeções de nosso cenário-base.

TABELA DE CLASSIFICAÇÃO DE RATINGS
Ratings de Crédito Corporativo
Escala Nacional Brasil brAAA/Estável/--
 
Risco de Negócios Satisfatória
- Risco-país Moderadamente alto
- Risco da indústria Baixo
- Posição competitiva Satisfatória
 
Risco Financeiro Intermediário
- Fluxo de caixa/Alavancagem Intermediário
 
Modificadores  
- Diversificação/Efeito-portfólio Neutra
- Estrutura de Capital Neutra
- Liquidez Adequada
- Política Financeira Neutra
- Administração e Governança Corporativa Regular
- Análise de Ratings Comparáveis Neutra
 

Critérios e Artigos Relacionados

Critérios

LISTA DE RATING
Rating Reafirmado
Santos Brasil Participações S.A.
Rating de Crédito Corporativo
Escala Nacional Brasil brAAA/Estável/--
 

 
Emissor Data de Atribuição do Rating Inicial Data da Ação Anterior de Rating
Santos Brasil Participações S.A.
Ratings de Crédito de Emissor
Escala Nacional Brasil 9 de fevereiro de 2009 29 de outubro de 2013
 



Informações regulatórias adicionais

Outros serviços fornecidos ao emissor
Não há outros serviços prestados a este emissor, clique aqui para mais informações.

Atributos e limitações do rating de crédito
A Standard & Poor’s Ratings Services utiliza informações em suas análises de crédito provenientes de fontes consideradas confiáveis, incluindo aquelas fornecidas pelo emissor. A Standard & Poor’s Ratings Services não realiza auditorias ou quaisquer processos de due diligence ou de verificação independente da informação recebida do emissor ou de terceiros em conexão com seus processos de rating de crédito ou de monitoramento dos ratings atribuídos. A Standard & Poor’s Ratings Services não verifica a completude e a precisão das informações que recebe. A informação que nos é fornecida pode, de fato, conter imprecisões ou omissões que possam ser relevantes para a análise de crédito de rating.

Em conexão com a análise deste (s) rating (s) de crédito, a Standard & Poor’s Ratings Services acredita que há informação suficiente e de qualidade satisfatória de maneira a permitir-lhe ter uma opinião de rating de crédito. A atribuição de um rating de crédito para um emissor ou emissão pela Standard & Poor’s Ratings Services não deve ser vista como uma garantia da precisão, completude ou tempestividade da (i) informação na qual a Standard & Poor’s se baseou em conexão com o rating de crédito ou (ii) dos resultados que possam ser obtidos por meio da utilização do rating de crédito ou de informações relacionadas.

Fontes de informação
Para atribuição e monitoramento de seus ratings a Standard & Poor’s utiliza, de acordo com o tipo de emissor/emissão, informações recebidas dos emissores e/ou de seus agentes e conselheiros, inclusive, balanços financeiros auditados do Ano Fiscal, informações financeiras trimestrais, informações corporativas, prospectos e outros materiais oferecidos, informações históricas e projetadas recebidas durante as reuniões com a administração dos emissores, bem como os relatórios de análises dos aspectos econômico-financeiros (MD&A) e similares da entidade avaliada e/ou de sua matriz. Além disso, utilizamos informações de domínio público, incluindo informações publicadas pelos reguladores de valores mobiliários, do setor bancário, de seguros e ou outros reguladores, bolsas de valores, e outras fontes públicas, bem como de serviços de informações de mercado nacionais e internacionais.

Aviso de ratings ao emissor
O aviso da Standard & Poor’s para os emissores em relação ao rating atribuído é abordado na política “Aviso de Pré-Publicação aos Emissores”.

Frequência de revisão de atribuição de ratings
O monitoramento da Standard & Poor’s de seus ratings de crédito é abordado em:

Conflitos de interesse potenciais da S&P Ratings Services
A Standard & Poor’s Brasil publica a lista de conflitos de interesse reais ou potenciais em “Conflitos de Interesse — Instrução Nº 521/2012, Artigo 16 XII” seção em www.standardandpoors.com.br.

Faixa limite de 5%
A S&P Brasil publica em seu Formulário de Referência apresentado em http://www.standardandpoors.com/pt_LA/web/guest/regulatory/disclosures o nome das entidades responsáveis por mais de 5% de suas receitas anuais.